servicos
Fale com o Detetive Particular Wilson Teixeira, que tem por objetivo a excelência no atendimento aos seu seus clientes.
saibamais

fiqueligado
Há mais de 20 Anos em buscas de Pessoas desaparecidas.
saibamais

faleconosco
A WT faz rastreamento de pessoas e veículos por meio de satélite e rádio.
saibamais

Detetive Particular em Coromandel mg

A WT tem sua sede em Uberlândia – MG, mas atendemos em todas as cidades do Brasil. Para Investigações em Coromandel – MG  Fale com o Detetive Particular Wilson Teixeira, este com 45 anos e 23 de experiência como Investigador. WhatsApp: 34 99904-5669

 

 

História

Coromandel
Minas Gerais – MG

Histórico

Consagra a tradição, como ponto pacífico, a fundação do arraial por aventureiros portugueses que teriam vindo da costa oriental da Índia, chamada ″Costa do Coromandel″. Teriam vindos atraídos pela fama de minas diamantíferas e dado este nome ao local em princípios do século XIX. A origem do nome parece assim definitivamente explicada. A única dúvida mantida por alguns baseia-se no fato de haver, numa escritura de doação de patrimônio para a Paróquia, em dezembro de 1823, figurado a futura paróquia com a denominação de ″Paróquia de Nossa Senhora de Santana do Curimandela″, o que pode ter ocorrido por em erro de grafia.
Fixados os primeiros moradores, o local passou a servir de pouso obrigatório para os viajantes que vinham de Paracatu ou de Goiás. Nessa altura, foram descobertos garimpos de diamantes e o antigo pouso recebeu algumas famílias oriundas de Paracatu, surgindo, então, um povoado que prosperou, não só pela afluência de garimpeiros, como também, pelo desenvolvimento da pecuária.

Gentílico: coromandelense

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Coromandel, pela lei provincial nº 1670, de 17-09-1870, e lei estadual nº 2, de 14-09-1891,
Elevado á categoria de vila com a denominação de Coromandel, pela lei Provincial nº 2930, de 06-10-1882.
Pela lei estadual nº 11, de 13-11-1891, a vila de Coromandel é extinta, sendo seu território anexado ao município de Patrocínio, como simples distrito.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o distrito de Coromandel, figura no município de Patrocínio.
Nos quadros de apuração do recenseamento geral de 1-IX-1920, o distrito se denomina
Elevado à categoria de município com a denominação de Coromandel, pela lei estadual nº 843, de 07-09-1923, desmembrado de Patrocínio. Sede no atual distrito de Coromandel (ex-Santana do Pouso Alegre do Coromandel). Constituído de 2 distritos: Coromandel e Abadias dos Dourados, ambos desmembrados de Patrocínio. Instalado em 19-10-1924.
Em divisão administrava referente ao ano de 1933, o município é constituído dos distritos: Coromandel e Abadias dos Dourados.
Assim permanecendo em divisões territoriais datada de 31-XII-1936 e 31-XIIX-1937.
Pela lei estadual 336, de 27-12-1948, desmembra do município de Coromandel o distrito de Abadias dos Dourados. Elevado á categoria de município. Pela mesma lei estadual é criado o distrito de Alegre ex-povoado e anexado ao município de Coromandel.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 2 distritos: Coromandel e Alegre.
Pela lei estadual nº 1039, de 12-12-1953, é criado o distrito de Santa Rosa dos Dourados e anexado ao município de Coromandel.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 3 distritos: Coromandel, Alegre e Santa Rosa dos Dourados.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2001,
Pela lei municipal nº 044, de 24-12-2002, é criado o distrito de Pântano de Santa Cruz (ex-povoado) e anexado ao município de Coromandel.
Pela lei municipal nº 2778, de 13-04-2004, foram criados os distritos de Lagamar dos Coqueiros e Mateiro, ambos (ex-povoados) e anexados ao município de Coromandel.
Em divisão territorial datada de 2005, o município é constituído de 6 distritos: Coromandel, Alegre, Lagamar dos Coqueiros, Mateiro, Pântano de Santa Cruz e Santa Rosa dos Dourados.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte

IBGE. Enciclopedia dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro, 1958. vol.XXIV.